15 de jul de 2010

Meio Ambiente

Vazamento de Petróleo no Golfo do México


E o mais Terrível é que é reincidente!

Por Carlos André


É, penso que realmente devemos nos esforçar e desapegar dessa dependência tão grande pelo petróleo que temos. Propano, óleos combustíveis, lubrificantes, ceras, chicletes, é até chicletes! Asfalto, plásticos, alguns tipos de fibra, solventes, alcatrão, graxa, querosene, parafina... É difícil abrir mão do conforto proporcionado pela sua utilização como matéria prima pra tanta coisa, mas por conta disso, vamos analisar com as fotos abaixo, a herança que estamos deixando para os nossos filhos:


O vazamento do Golfo do México, em maio de 2010 - Estima-se 04 milhões de litros estão sendo derramados por dia, de um poço que pode levar até 90 dias pra ser vedado. Acreditando que serão mais de 360 milhões de litros de óleo derramados. Estamos falando de um dos maiores derramamentos de óleo da história e que afetará todo nosso ecossistema. Resumindo: 1.600 quilômetros de águas irreparáveis e praias em risco, atividades de pesca prejudicada por várias temporadas, espécies frágeis extintas e uma indústria economicamente arrasada. Sofreremos as conseqüências desse desastre pelos próximos 100 anos...

Foi um acidente ambiental, mas vamos analisar as reincidências:

2- Guerra do Golfo, Kuwait, Golfo Pérsico (janeiro/1991)

Volume: 1 milhão e 360 mil toneladas (753 piscinas olímpicas)
Um dos grandes vazamentos de petróleo da história não foi propriamente acidental, mas deliberado. Causou enormes danos à vida selvagem, depois que forças iraquianas abriram as válvulas de poços de petróleo e oleodutos ao se retirarem do Kuwait.



3- Ixtoc I, Campeche, Golfo do México (junho/1979)
Volume: 454 mil toneladas (251 piscinas olímpicas)
A plataforma mexicana Ixtoc 1 na Baía de Campeche, uma erupção de petróleo que durou 295 dias, derramando cerca de 500 milhões de litros de petróleo no mar. A enorme maré negra afetou, por anos, as costas de uma área de mais de 1.600 km2


4- Poço de petróleo Fergana Valley, Uzbequistão (março/1992)
Volume: 285 mil toneladas (158 piscinas olímpicas)
Trata-se de um dos maiores acidentes terrestres já registrados. Em março de 1992, a explosão de um poço no Vale da Fergana afetou uma das áreas mais densamente povoadas e agrícolas da Ásia Central.






5- Atlantic Empress, Tobago, Caribe (julho/1979)
Volume: 287 mil toneladas (159 piscinas olímpicas)
Durante uma tempestade tropical, dois superpetroleiros gigantescos colidiram próximos à ilha caribenha de Tobago. O acidente matou 26 membros da tripulação e despejou milhões de litros de petróleo bruto no mar


6- Nowruz, Irã, Golfo Pérsico (fevereiro/1983)
Volume: 260 mil toneladas (144 piscinas olímpicas)
Durante a Primeira Guerra do Golfo, um tanque colidiu com a plataforma de Nowruz causando o vazamento diário de 1500 barris de petróleo.




 7- ABT Summer, Angola maio/1991
Volume: 260 mil toneladas (144 piscinas olímpicas)
O superpetroleiro Libéria ABT Summer explodiu na costa angolana em 28 de maio de 1991 e matou cinco membros da tripulação. Milhões de litros de petróleo vazaram para o Oceano Atlântico, afetando a vida marinha




8- Castillo de Bellver, Africa do Sul (agosto/1983)

Volume: 252 mil toneladas (139 piscinas olímpicas)
Depois de um incêndio a bordo, seguido de explosão, o navio espanhol rachou-se ao meio, liberando cerca de 200 milhões de litros do óleo na costa de Cape Town, na África do Sul. Por sorte, o vento forte evitou que a mancha alcançasse o litoral, minimizando os efeitos ambientais do desastre




9 - Amoco Cadiz, França (março/1978)

Volume: 223 mil toneladas (123 piscinas olímpicas)
Um dos piores acidentes petrolíferos do mundo aconteceu em 1978, quando o supertanque Amoco Cadiz rompeu-se ao meio perto da costa noroeste da França. O vazamento matou milhares de moluscos e ouriços do mar. Esta foi a primeira vez que imagens de aves marinhas cobertas de petróleo foram vistas pelo mundo




10 - M T Haven, Itália (abril/1991)
Volume: 144 mil toneladas (79 piscinas olímpicas)
Outro superpetroleiro, o navio gêmeo do Amoco Cadiz explodiu e naufragou próximo da costa de Gênova, matando seis tripulantes. A poluição na costa mediterrânea da Itália e da França se estendeu pelos 12 anos seguintes.




Somos culpados por todos esses e outros vazamentos, só por consumirmos derivados de petróleo deliberadamente?

Especialistas no assunto, a mídia, a internet, e tantos outros meios de comunicação e informação estão o tempo todo alertando para o estrago e as consequências de tudo que estamos fazendo, mas quando, quando, vamos ter consciência e agir?  Encontrei uma frase publicada pela Prof.ª Paula Michele Dantas: “Quando a última árvore tiver caído, quando o último rio tiver secado, quando o último peixe for pescado, a humanidade vai entender que dinheiro não se come”. Vou além: ”Chegará em breve o tempo em que, pela escassez de todas as reservas naturais, só teremos como matéria prima o lixo que criamos”.

Será que não deveríamos nos sentir culpados por causar tanta destruição? O que estamos deixando para nosso próximo? Aos nossos filhos?

Entre 1940 e 2010, vazaram mais de 500 bilhões de litros de petróleo em todo o mundo!! Tiramos a vida de tartarugas marinhas, baleias, golfinhos, camarões, caranguejos e as ostras, peixes, e tantos milhões de animais marinhos. Nunca saberemos os verdadeiros impactos no oceano.

E deve complicar ainda mais com o Pré-sal que está vindo aí.


Não sou contra o desenvolvimento, muito pelo contrário, mas não posso pensar que o progresso tenha que vir da destruição e da morte de seres vivos e desse planeta tão lindo, não acredito que isso seja evolução, e sim retrocesso.


Desabafei nessa mensagem e estou tentando mudar meus hábitos, e você? Se chegou até aqui, é porque pode ter sido tocado de alguma forma. Não gostaria de fazer algo também?



Acredito que nesse momento, o principal desafio para todos nós, cidadãos comuns é aprender a respeito e incentivar a reciclagem. Aproveitar o que jogamos fora é tão digno, e traz dois resultados maravilhosos:


Diminuímos a quantidade de lixo que jogamos e que deixa o planeta tão doente;
Extraímos menos da natureza, matéria prima causando menos impactos ambientais;


Sou ciberativista do Greenpeace, e peguei uma lista deles com 10 atitudes que podemos pôr em prática para diminuir nossa dependência pelo pegajoso, e perigoso petróleo. Aproveitei para incluir outras 10. Acho que pode pôr em prática algumas delas:

1. Evite o uso do automóvel. Dê carona, faça rodízios, ande de bicicleta ou use o transporte coletivo para ir ao trabalho. Sabemos que estão péssimos todos os serviços de transporte público e privado nas grandes cidades: sofremos com lotação, espera em demasia, desconforto, engarrafamentos, etc. Mas podemos e devemos criar o hábito de utilizar estes serviços e também, cobrar das autoridades competentes que tomem atitudes para melhorar a qualidade dos transportes coletivos. Se fizermos, o aumento de utilização desses transportes aumentará a demanda e conseqüentemente melhorará sua qualidade.

2. Quando for possível, escolha produtos sem embalagens ou componentes de plástico, que é derivado do petróleo. Reutilize e recicle o lixo ou o separe e organize em casa sua casa. (AZUL: papel; VERMELHO: plástico; VERDE: vidro; AMARELO: metal; PRETO: madeira; LARANJA: resíduos perigosos; BRANCO: resíduos ambulatoriais e de serviços de saúde; ROXO: resíduos radioativos; MARROM: resíduos orgânicos; CINZA: resíduo geral não reciclável ou misturado, ou contaminado não passível de separação) Lista de cores padronizada para reciclagem. Crie o hábito de separar pelo menos os principais: Papel, plástico, metal e vidro.

3. Compre frutas e verduras orgânicas (muitos fertilizantes e pesticidas são feitos à base de petróleo).
4. Escolha produtos de beleza (xampu, sabonetes, cosméticos) fabricados com ingredientes naturais. Produtos como lápis de lábios, delineadores para os olhos e esmaltes de unhas, entre outros, costumam conter derivados de petróleo. Exagero? 


5. Prefira produtos locais (para evitar o transporte em veículos movidos por combustíveis à base de petróleo).

6. Compre roupas feitas com fibras naturais, e não sintéticas.
7. Evite o uso de produtos descartáveis.
8. Não tome água engarrafada
10. Apoie iniciativas que promovam energias renováveis.
11. Evite comprar produtos feitos à base de petróleo, como espuma de poliestireno, canetas esferográficas descartáveis – e até gomas de mascar!

12. Faça passeios em seu bairro a pé, deixe o carro em casa.
13. Se for possível, diminua as viagens de avião.
14. Instale alguma fonte de energia renovável em sua casa, como painéis solares.
15. Deixe o termostato do aquecedor ou do ar condicionado de sua casa no mínimo.
16. Quando vir caixas de sugestões em restaurantes e comércios, aproveite para recomendar menos embalagens e garrafas de plástico.


17. Se for possível, instale um aquecedor de água solar em casa.
18. Recicle o que for possível. Segue algumas dicas nesse site: http://www.acessa.com/jfimoveis/arquivo/truques/2007/02/07-truques/

19. Apresente sugestões ou projetos de atividades de reciclagem junto a seu condomínio ou vizinhos. As sugestões podem ser de parcerias com cooperativas de catadores de lixo, compra coletiva de sacolas plásticas padronizadas para reciclar, convênios com empresas de reciclagem e ou quaisquer atividades que melhorem o meio ambiente.

20. Vote e apoie os políticos que se dedicam à promoção de energias renováveis. E cobre dos já eleitos que invistam mais nestas. O Brasil é muito rico em variedades de energia e possibilidades.


Você tem alguma outra dica?
Analisando esta lista, qual é a área de sua vida com maior consumo de petróleo?


Estou tentando seguir o que é possível pra minha realidade, e tentando contribuir a minha maneira. E você, pode abraçar essa causa também?

Se praticarmos atividades como essas, diminuiremos a utilização e dependência do petróleo e seus derivados, e em conseqüência poluiremos menos, economizaremos mais e diminuiremos o sangramento de nosso planeta!

Nossa saúde agradece!

Fontes:
http://seedorama.com/2010/06/07/8-largest-oil-spills-of-all-time/
http://ddimick.posterous.com/?search=ixtoc%201
http://www.loe.org/shows/segments.htm?programID=10-P13-00025&segmentID=4
http://lennyvasbinder.blogspot.com/2010/07/pictures-and-videos-of-1979-ixtoc-1.html
http://www.blogmercante.com/2010/08/fotos-principais-acidentes-com-navios-vlcc-da-historia/
http://unipeg1.blogspot.com/2010/05/os-10-maiores-acidentes-da-historia-da.html