29 de dez de 2010

Floresta da Tijuca



Uma informação interessante é que a Floresta da Tijuca, uma das maiores florestas urbanas do mundo, foi praticamente toda reflorestada pelo homem, verdade, em meados do século XIX na época do império, por conta do abastecimento de água da cidade que ficara comprometido na época das fazendas de café e açúcar, e foi um major da polícia militar com 06 escravos que plantou mais de 100.000 (cem mil) mudas de diversos tipos de vegetação fazendo com seja também uma das com mais variadas espécies no gênero.  Muitas outras modificações ocorreram ao longo dessas décadas.

Deixando essa história bacana de lado, hoje essa floresta única que abriga grutas, cascatas, mirantes, churrasqueiras, espaços para piqueniques, morros, é um ponto turístico muito visitado da cidade, principalmente por moradores do Rio de Janeiro, que curtem a natureza, os passeios e as atividades que esse lugar proporciona.

André e Lênin

Bom, vamos as dicas, acho que é por isso que você está aqui: a floresta têm vários acessos e o principal é a entrada pela Praça Afonso Viseu, no Alto da Boa Vista. De carro ou  ônibus, é muito fácil chegar. De carro você pode economizar ou 'perder aproximadamente 08 km de caminhada pelo asfalto rodeado de árvores. E tem até restaurante lá dentro. hehe
Sair cedo de casa é fundamental para aproveitar bastante o passeio e também não correr riscos de ir tarde e se aventurar em voltar no escuro e até perder-se.



O primeiro lugar a ir é o Centro de Visitantes, que é meio que um ponto de partida. A floresta têm diversos lugares a visitar, a Cascatinha, a Capela Mayrink, o Mirante Excelsior, o Barracão, a Gruta Paulo e Virgínia, o Lago das Fadas, a Vista Chinesa e o Açude da Solidão. Ótimos lugares a visitar e passear com a família, mas dois dos mais interessantes, e os que vou detalhar melhor aqui, são o Pico da Tijuca que fica a 1.022 metros do nível do mar e tem uma das vistas mais bonitas do Rio, e embalando e dependendo da disposição o Bico do Papagaio 975 metros acima do mar. 


Os trajetos são bem sinalizados e há poucas chances de se perder. Das vezes que passeei por ali com amigos, sempre interagíamos bastante no caminho, falando de curiosidades, e comentando do quanto é lindo o lugar e fundamental para a beleza de nossa cidade. Se quiser pecar por excesso, pegue o telefone da portaria na entrada e anote no celular para o caso de querer tirar dúvidas.


Em um certo momento podemos ver sinalizações informando o lado pra subir ao Pico da Tijuca ou o Bico do Papagaio. O melhor pra quem está com tempo e disposição é ir primeiro ao Bico do Papagaio onde dá pra ter uma boa noção do tamanho da floresta. A subida é um pouco íngreme, mas podem subir até crianças, desde que se programem com água e suprimentos para eventualidades e tenham certo cuidado em alguns lugares, afinal estamos falando de algumas horas de caminhada aprumada.

Pra quem escolheu o Pico da Bandeira ou o adicionou ao seu trajeto deve tomar cuidados pois o acesso é um pouco mais íngreme e deve-se evitar crianças e dias chuvosos pois fica um pouco escorregadio. Apesar de não ter ouvido relatos de pessoas que se machucaram naquela região, é bom ficar atento para não correr riscos. Mas vale a pena, pois a vista é linda demais.












Depois de uma longa e demorada subida finalmente a recompensa de visitar um dos lindos cartões postais dessa cidade maravilhosa!



Um grande presente poder vislumbrar, fotografar, relaxar sentindo o vento gostoso dessa paisagem que mistura árvores e prédios, floresta e asfalto. Lindo, lindo e lindo!












Aos aventureiros, um ótimo passeio!